sábado, 22 de agosto de 2015

Amar...


Amar...
Amar é descobrir-se tolo,
É reinventar-se sábio,
É se achar no mundo, 
É se perder no vácuo.

Amar é toda nossa esperança consumida,
Nessa grande disputa ferida, 
Entre o que diz a razão, 
E o que ordena o coração.

Sim amados! 
Coração de apaixonado não pede,
Ordena!
Quem nunca experimentou a urgência,
A calamidade,
A indulgência,
E as barbaridades do Amor?

Amar é loucura santa!
É a divina benção de Deus!
Amar é o verbo da vida,
É o mais sublime dos dons teus!

Liz