sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Mas esses filhos também se revoltaram contra mim

A infidelidade do povo de Israel
1 Passaram sete anos, cinco meses e dez dias desde que os israelitas haviam sido levados para o cativeiro. Então alguns líderes vieram falar comigo para saber a vontade do Senhor. Eles chegaram e se sentaram na minha frente. 2 O Senhor falou comigo. Ele disse:
3— Homem mortal, diga a esses líderes que o Senhor está dizendo isto: Vocês vieram para saber qual é a minha vontade? Pois eu juro pela minha vida que não deixarei que vocês me perguntem nada. Sou eu, o Senhor Deus, quem está falando.
4— Homem mortal, você está pronto para julgar essa gente? Então julgue. Faça com que eles lembrem das coisas vergonhosas que os antepassados deles fizeram. 5 Diga tudo o que eu, o Senhor Deus, estou falando. No dia em que escolhi o povo de Israel, fiz uma promessa a eles. No Egito, mostrei aos israelitas quem eu era e disse: “Eu sou o Senhor, o Deus de vocês.” 6 Nessa ocasião, prometi que ia tirá-los do Egito e guiá-los a uma terra que eu havia escolhido para eles, uma terra boa e rica, a melhor de todas. 7 Eu lhes disse: “Joguem fora os ídolos nojentos que vocês amam e não se manchem com os falsos deuses do Egito, pois o Deus de vocês sou eu, o Senhor.” 8 Mas eles se revoltaram contra mim e não quiseram me ouvir. E não jogaram fora os seus ídolos nojentos, nem abandonaram os ídolos do Egito. Eu estava pronto para fazê-los sentir, ali no Egito, a força da minha ira. 9 Porém não fiz isso a fim de não trazer desonra para o meu nome. Pois, na presença do povo no meio do qual os israelitas estavam vivendo, eu havia anunciado que ia tirá-los do Egito.
10— E assim os tirei do Egito e os levei para o deserto. 11 Eu lhes dei os meus mandamentos e lhes ensinei as minhas leis, que dão vida a quem os cumprir. 12 Como sinal da nossa aliança, mandei que eles guardassem o sábado e assim lembrassem que eu, o Senhor, os separo para que se dediquem somente a mim. 13 Mas também no deserto os israelitas se revoltaram contra mim. Desobedeceram às minhas leis e rejeitaram os meus mandamentos, que dão vida a quem os cumprir. Profanaram completamente o sábado. Eu estava pronto para fazê-los sentir a força da minha ira e acabar com eles ali no deserto. 14 E não os destruí a fim de não trazer desonra para o meu nome, pois as outras nações viram que tirei o povo de Israel do Egito. 15 Além disso, no deserto jurei que não os levaria à terra que eu tinha dado a eles, uma terra boa e rica, a melhor de todas. 16 Fiz esse juramento porque eles rejeitaram os meus mandamentos, desobedeceram às minhas leis e profanaram o sábado. Eles tinham prazer em adorar os seus ídolos.
17— Porém eu tive pena deles e não os matei, nem acabei com eles lá no deserto. 18 Em vez disso, eu disse aos seus filhos: “Não guardem as leis que os seus antepassados fizeram; não sigam os costumes deles, nem se manchem com os seus ídolos. 19 Eu sou o Senhor, o Deus de vocês. Obedeçam às minhas leis e aos meus mandamentos. 20 Façam do sábado um dia sagrado, de modo que seja um sinal da aliança que fizemos. O sábado fará com que lembrem que eu sou o Senhor, o Deus de vocês.”
21— Mas esses filhos também se revoltaram contra mim. Desobedeceram às minhas leis e não guardaram os meus mandamentos, que dão vida a quem os cumprir. Eles profanaram o sábado. Eu estava pronto para fazê-los sentir a força da minha ira, matando todos ali no deserto. 22 Porém não os destruí a fim de não trazer desonra para o meu nome entre as nações que me viram tirar o povo de Israel do Egito. 23 Então fiz um novo juramento no deserto. Jurei que ia espalhar os israelitas pelo mundo inteiro. 24 Fiz isso porque rejeitaram os meus mandamentos, desobedeceram às minhas leis, profanaram o sábado e adoraram os mesmos ídolos que os seus antepassados tinham servido. 25 Então lhes dei leis más e mandamentos que não produzem vida. 26 Deixei que se tornassem impuros, trazendo as suas próprias ofertas; deixei que matassem os seus filhos mais velhos, oferecendo-os em sacrifício. Isso aconteceu para que ficassem cheios de medo e para mostrar que eu sou o Senhor.
27 — Por isso, homem mortal, conte aos israelitas o que eu, o Senhor Deus, estou dizendo a eles. Os pais deles também me insultaram de outro modo com a sua infidelidade: 28 quando eu os trouxe para a terra que havia jurado dar-lhes, eles viram os montes altos e as árvores que dão sombra e ofereceram sacrifícios em todos eles. Eles me fizeram ficar irado por causa dos sacrifícios que queimaram e das ofertas de bebidas que trouxeram. 29 Eu perguntei: “Que são esses lugares altos aonde vocês vão?” Por isso, desde aquele tempo eles têm sido chamados de “lugares altos”. 30 Agora, diga aos israelitas o que estou dizendo. Por que é que vocês precisam cometer os mesmos pecados que os seus antepassados cometeram? Por que têm de correr atrás dos ídolos deles? 31 Até hoje, vocês apresentam as mesmas ofertas e se tornam impuros por causa dos mesmos ídolos, queimando vivos os seus filhos, como sacrifício. E aí vocês, israelitas, ainda vêm me perguntar o que eu quero. Juro pela minha vida, diz o Senhor Deus, que não deixarei que vocês me perguntem nada. 32 Vocês já resolveram que querem ser como as outras nações, como aquela gente que mora em outros países e adora árvores e pedras. Mas isso nunca acontecerá.


Qual é o significado dos lugares altos na Bíblia?

Os lugares altos eram simplesmente locais de adoração em porções elevadas de terra ou altares levantados sobre terras baixas (como um vale). Os lugares altos foram originalmente dedicados à adoração de ídolos (Números 33:52, Levítico 26:30), especialmente entre os moabitas (Isaías 16:12). Estes santuários muitas vezes incluíam um altar e um objeto sagrado, como um pilar de pedra ou pedaço de madeira, que se identificava, através do seu formato, com o objeto de adoração (animais, constelações, deusas e deuses da fertilidade).

Os israelitas, sempre se afastando de Deus, praticavam a adoração a Moloque e construíram lugares altos para Baal (Jeremias 32:35). Embora Salomão tenha construído o templo de Deus em Jerusalém, mais tarde ele estabeleceu altos idólatras para as suas mulheres estrangeiras fora de Jerusalém, e adorou com elas, causando-lhe a perda do reino (1 Reis 11:11). O povo ainda oferecia sacrifícios nos altos pagãos antes de o templo ter sido construído, e Salomão se juntou a eles. Depois que o Senhor lhe apareceu em um sonho em Gibeão, o rei voltou a Jerusalém e ofereceu sacrifícios; no entanto, continuou a oscilar entre os dois locais de culto.

Nem todos os lugares altos foram dedicados à adoração de ídolos. Eles desempenharam um papel importante na adoração israelita, e a primeira menção bíblica de um local de culto, mais tarde chamado de "lugar alto", se encontra em Gênesis 12:6-8, onde Abrão edificou altares ao Senhor em Siquém e Hebrom. Abraão construiu um altar na região de Moriá e estava disposto a sacrificar o seu filho lá (Gênesis 22:1-2). Acredita-se tradicionalmente que este local é o mesmo alto onde o templo de Jerusalém foi construído. Jacó erigiu uma coluna de pedra ao Senhor em Betel (Gênesis 28:18-19), e Moisés se encontrou com Deus no Monte Sinai (Êxodo 19:1-3).


Josué construiu pilares de pedra depois de atravessar o Jordão (Josué 4:20) e considerou este alto um lugar de adoração porque os israelitas "subiram" da Jordânia aos terrenos mais elevados. Os lugares altos eram visitados regularmente pelo profeta Samuel (1 Samuel 7:16) e, como locais de adoração de ídolos cananeus (Juízes 3:19), estenderam-se ao período de Elias (1 Reis 18:16-40). Deus nomeou apenas um lugar alto onde o sacrifício era autorizado, e esse foi o templo de Jerusalém (2 Crônicas 3:1). Deus ordenou que todos os outros altos fossem destruídos. O rei Josias destruiu-os em 2 Reis 22-23.