quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Não tenha o meu silêncio como aceitação ou esquecimento..


Eles são assim mesmo... cínicos, desafiam as vítimas...
Vivi essa história e ainda aguardo o arrependimento e que a pessoa corrija o seu erro, ele sabe como e o que deve fazer...
Caso contrário, estou pronta para levar o caso a justiça, pois vejo que são muitos e isso precisa parar...
Espero em Deus que ele não esteja fazendo novas vítimas... mas...
Leiam...
Em breve estarei postando a minha história, também com nomes... 
Tudo tem o tempo e a hora certa para acontecer...
Então, não tenha o meu silêncio como aceitação ou esquecimento..
Continuo ajoelhando e pedindo a Deus por sua vida e a da sua família, mas a justiça, pode ter certeza... ou você corrige o seu erro ou ela será feita...

Modelo suspeita de golpes na web ironizou denúncias: 'Meu orixá é forte'

Suspeita de aplicar golpes pelas redes sociais, a modelo fotográfica Bruna Cristine Menezes de Castro, de 25 anos, não acreditava que seria presa. Em conversas com alguns clientes, publicadas em uma conta no Instagram criada para denunciá-la, a jovem desdenha das investigações e ri quando uma pessoa fala da possibilidade dela ser presa. "Meu orixá é forte", diz em um dos trechos divulgados pela Polícia Civil nesta quarta-feira (12). Ela foi detida em Goiânia.
Em uma das conversas, uma suposta vítima diz: "Ainda vou te ver atrás das grades". Em tom de ironia, a modelo responde: "Sério amor? kkkkkkk. Será?". Na mesma conversa, a cliente afirma que a jovem "nem sonha como estão as investigações". Porém, novamente, a suspeita rebate: "Aguardo ansiosamente por esse dia".
Responsável pela investigação, o titular da Delegacia Estadual de Defesa do Consumidor (Decon), Eduardo Prado, disse que Bruna confessou os crimes ao prestar depoimento nesta tarde.
Bruna Cristine Menezes de Castro, Goiânia, Goiás 
Bruna vendia produtos, mas não entregava
"Ela disse que praticava os golpes, mas não sabe quantas pessoas nem desde quando. Ela alegou que precisava de dinheiro porque estava com um problema conjugal e estava se preparando para uma possível separação", disse Prado. Segundo ele, a jovem disse ser casada e ter um filho de 4 anos.
Bruna foi detida na segunda-feira (11) em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. Ela estava sozinha em um apartamento alugado a R$ 1,5 mil no Setor Jardim Goiás, bairro nobre da capital. Segundo a polícia, ela estava tentando se esconder.
"Não tinha praticamente nada no apartamento. As informações que nós recebemos é que ela estava pronta para fugir para os Estados Unidos", revela.
O delegado explica que, até o momento, 20 vítimas já foram até a delegacia para denunciar o golpe. Após a prisão, outros 30 entraram em contado com o distrito, sendo uma do Rio de Janeiro e duas de Brasília. Somente dessas vítimas, o delegado estima um prejuízo de R$ 300 mil.
Prado crê que o número de pessoas enganadas ainda irá crescer. "Acredito que possa atingir mais de mil pessoas. Só no Instagram que a denuncia tem 500 seguidores. Isso sem contar outras pessoas que a contataram em contas que ela já desativou", explica.
Bruna será encaminhada para a carceragem feminina do 14º Distrito Policial de Goiânia, na Vila Pedroso. Ela será autuada por estelionato e pode pegar de 1 a 5 anos se for condenada.
Delegado Eduardo Prado, caso da modelo estelionato nas redes sociais em Goiás 
Delegado diz que intenção de Bruna era fugir para os EUA
Defesa
O advogado de Bruna, Flávio Cavalcante disse ainda está "apurando os fatos" para traçar sua estratégia de defesa. Ele afirma que a modelo entregou alguns produtos, mas deixou de fazê-lo em alguns casos devido a "questões pessoais", as quais ele preferiu não citar.
O defensor negou que Bruna teria planos de fugir para o exterior. "De forma alguma. Ele tem cidadania italiana. Eventualmente, se fosse, iria para a Europa. Mas ela não tem nem teve essa intenção de se ausentar", afirma.
Sobre o fato de o apartamento onde ela estava ter poucos objetos, ele disse que a modelo havia se mudado recentemente e trabalhava para se sustentar. "Ela faz trabalhos como modelo de forma autônoma e assina contratos com empresas de São Paulo para estampar a sua imagem", diz.
Relacionamento amoroso
Analista de sistemas carioca, Ryan Balbino foi vítima da modelo, com quem teve um relacionamento amoroso entre 2011 e 2012. Segundo ele, Bruna disse que estava com câncer no útero e com metástase no pâncreas.
Para ajudar no tratamento, o analista depositou mais de R$ 15 mil em uma conta bancária no nome dela. “Ela pedia dinheiro com pretexto de que precisava comprar vitaminas, remédios importados, pagar por cirurgias e exames que eram necessários para o tratamento da doença”, disse Balbino.
O analista de sistemas constatou que tinha sido vítima de um golpe ao viajar do Rio de Janeiro para Goiânia. “Encontramos com familiares dela e tive a confirmação de que ela não estava doente e de que eu tinha sido vítima de um estelionato”, disse.

Fonte: G1