sábado, 5 de setembro de 2015

A ESTRADA QUE ME LEVA!

Rum... Que ironia essa minha!
Esta estrada nunca definha!
Quanto mais fujo de ti
Mais de mim tu te aproximas.
Nada mais faz sentido.
Estou farto de mim mesmo.
Perdi minha bússola do bom senso,
Rasguei meu mapa moral
Destruí meus pontos cardeais.
Estou preso em armadilhas fatais
que eu mesmo criei.
A calamidade se apoderou de mim.
Eis que eu já fui o lado irracional e malévolo,
Hoje temo o destino que tracei. 
Viajante sem rota
Sem guia, sem rumo,
Sem lei!
O vento favorável não me foi outorgado.
Tudo o que me resta é sentar
e observar pela janela
o desenrolar dos fatos!
Ai de todos nós
Peregrinos desta vida!
Tomara que ainda achemos uma saída!

Lee