segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Quantas vezes fui obrigada a matar um amor... e quantas vezes ainda serei?

Amei...
De uma forma incondicional
Já doei a minha própria vida
Não aprendi outra maneira de amar
Mas também tive que aprender a matar
Sim, quantas vezes em meu silencio 
Matei meu amor... 
Matando a minha própria existência
Sou mais feliz quando amo...
Mas era preciso
Matei, porque a vida me tirou
Matei, por não ter resposta o meu amor
E nesse silêncio eu ia morrendo
Mas na minha fé renascendo...
O que mais a vida me reserva?
Quantas vezes ainda terei que fazer...
Quantas vezes meu Deus...
Terei que renascer?

Rosa Soares