domingo, 25 de outubro de 2015

O MUNDO INVISÍVEL DE UMA MULHER - Página 20

Eu não esperava por essa página, acordei as 3:20 da manhã, o coração apertado, chorando muito... Perguntei ao meu Pai, por que? 
Pedi perdão, sou humana, acho que a primeira coisa que veio em minha cabeça foi, estou fazendo a coisa certa? Me sentindo fraca, incapaz e não merecedora... segurando agora as lágrimas, enquanto escrevo, pois no primeiro momento que elas caíram enquanto estava ajoelhada, dentro do meu quarto, o meu menino caçula acordou (Yorkshire) desesperado... e mais uma vez enxugou minhas lágrimas... não quero acorda-lo novamente. (Fico impressionada com ele)

Aquele desejo de abrir a Bíblia tomou conta de mim, ela fica do meu lado enquanto durmo. Assim eu fiz:

1 Meu povo, escute o meu ensino e preste atenção no que estou dizendo!
2 Pois falarei com vocês por meio de provérbios e explicarei os segredos do passado.
3 São coisas que ouvimos e aprendemos, coisas que os nossos antepassados nos contaram.
4 Não as esconderemos dos nossos filhos, mas falaremos aos nossos descendentes a respeito do poder de Deus, o Senhor, dos seus feitos poderosos e das coisas maravilhosas que ele fez.
5 O Senhor deu leis ao povo de Israel e mandamentos aos descendentes de Jacó. Ordenou aos nossos antepassados que ensinassem essas leis aos seus filhos 6 para que os seus descendentes as aprendessem, e eles, por sua vez, as ensinassem aos seus filhos.
7 Assim eles também porão a sua confiança em Deus; não esquecerão o que ele fez e obedecerão sempre aos seus mandamentos.
8 Eles não serão como os seus antepassados, um povo rebelde e desobediente, que nunca foi firme na sua confiança em Deus e não permaneceu fiel a ele.
9 Os homens da tribo de Efraim, armados com arcos e flechas, fugiram no dia da batalha.
10 Os israelitas não cumpriram a aliança que Deus havia feito com eles e não quiseram obedecer à sua lei.
11 Esqueceram os milagres que ele havia feito na presença deles.
12 Diante dos seus antepassados, Deus realizou milagres na planície de Zoã, na terra do Egito.
13 Ele dividiu o mar e levou os israelitas pelo meio dele; ele fez com que as águas se levantassem como muralhas.
14 Durante o dia, ele os guiava com uma nuvem e de noite os conduzia por meio de um clarão de fogo. 
15 Ele partiu rochas no deserto e das profundezas da terra tirou muita água para o povo beber.
16 Fez com que nascessem fontes na rocha e que água corresse como um rio. 
17 Mas os nossos antepassados continuaram a pecar contra Deus; eles se revoltaram no deserto contra o Altíssimo.
18 De propósito, puseram Deus à prova, pedindo a comida que queriam.
19 Falaram contra ele, dizendo: “Será que Deus pode nos dar comida no deserto?
20 É verdade que ele partiu a rocha e que a água começou a correr como um rio. Mas será que ele pode nos dar pão? Será que pode fornecer carne para o seu povo?”
21 Quando o Senhor Deus ouviu isso, ficou furioso. Ele atacou o seu povo com fogo, e a sua ira contra eles aumentou 22 porque não confiaram nele e não acreditaram que ele os poderia salvar.
23 Porém Deus deu ordem ao céu lá em cima e mandou que as suas portas se abrissem.
24 Ele deu ao povo pão do céu, fazendo com que caísse o maná para eles comerem, 25 e assim comeram o pão dos anjos. Deus lhes deu comida com fartura.
26 Depois ele fez soprar do céu o vento leste e pelo seu poder agitou o vento sul.
27 Sobre o povo fez cair tantas aves, que pareciam nuvens de pó ou os grãos de areia de uma praia.
28 As aves caíam no meio do acampamento, em volta das barracas.
29 Então os israelitas comeram e ficaram satisfeitos, pois Deus lhes deu o que eles queriam.
30 Mas, enquanto estavam comendo, antes mesmo de ficarem satisfeitos, 31 Deus ficou irado com eles e matou os homens mais fortes, os melhores jovens de Israel.
32 Mesmo depois desses milagres, o povo ainda continuou a pecar e não quis acreditar em Deus.
33 Por isso ele os destruiu como se a vida deles fosse um sopro, como um desastre que acontece de repente.
34 Porém, quando Deus matava alguns, os que ficavam vivos voltavam para ele; eles se arrependiam e oravam com sinceridade a ele.
35 Eles lembravam que Deus era a sua rocha, lembravam que o Altíssimo era o seu Salvador.
36 Mas todas as palavras deles eram mentiras, tudo o que diziam era apenas para enganar.
37 O coração deles não era sincero para com Deus, e não foram fiéis à aliança
que Deus havia feito com eles.
38 Porém Deus teve misericórdia do seu povo. Ele não os destruiu, mas perdoou os seus pecados. Muitas vezes parou com a sua ira e não se deixou levar pelo seu furor.
39 Lembrou que eles eram mortais, eram como um vento que passa e não volta mais.
40 Quantas vezes se revoltaram contra Deus no deserto! Quantas vezes o fizeram ficar triste!
41 Repetidas vezes o puseram à prova e entristeceram o Santo Deus de Israel.
42 Eles esqueceram o seu grande poder e o dia em que ele os tinha salvado dos seus inimigos.
43 Esqueceram as coisas maravilhosas e os milagres que ele havia feito na planície de Zoã, na terra do Egito.
44 Ali ele fez com que os rios virassem sangue, e assim os egípcios ficaram sem água para beber.
45 Mandou moscas para os atormentarem e rãs, que estragaram os seus campos.
46 Também mandou gafanhotos para comerem as suas colheitas e destruírem as suas plantações.
47 Com chuvas de pedras destruiu as suas videiras e com geada, as suas figueiras.
48 O seu gado e as suas ovelhas também morreram por causa das chuvas de pedra e dos raios.
49 Ele os destruiu com o fogo da sua ira e com o seu grande furor e a sua maldição, que vieram como mensageiros da morte.
50 Ele não parou com a sua ira, nem deixou que eles vivessem, mas os matou com uma praga.
51 Em cada casa, na terra do Egito, Deus matou o filho mais velho.
52 Depois, como pastor, Deus conduziu o povo de Israel para fora do Egito e o guiou pelo deserto. 53 Ele os guiou com segurança, e eles não tiveram medo; mas os seus inimigos foram cobertos pelo mar.
54 Deus levou os israelitas para a terra santa dele, para as montanhas que ele mesmo conquistou. 55 Ele expulsou os moradores daquelas terras enquanto o seu povo avançava.
Repartiu as terras entre as tribos de Israel e deixou que os israelitas morassem nas casas
dos seus antigos moradores.
56 Mas os israelitas se revoltaram contra o Deus Altíssimo e o puseram à prova. Não obedeceram aos seus mandamentos 57 e foram desleais e rebeldes como os seus pais, traiçoeiros como flechas atiradas com um arco defeituoso.
58 Eles o irritaram com os seus altares pagãos e, com os seus ídolos, fizeram com que ele ficasse enciumado. 
59 Quando Deus viu isso, ficou irado e rejeitou completamente o seu povo.
60 Ele abandonou a sua Tenda Sagrada, que estava em Siló, a casa onde ele havia morado
entre os seres humanos.
61 Deus deixou que os inimigos tomassem a arca da aliança, que representava o seu poder
e a sua glória.
62 Ele ficou irado com o seu próprio povo e deixou que eles fossem mortos pelos inimigos.
63 Os jovens foram mortos na guerra, e as moças não tinham com quem casar.
64 Os sacerdotes foram mortos à espada, e as suas viúvas foram proibidas de chorar por eles.
65 Então o Senhor acordou como de um sono e gritou como um homem valente, embriagado pelo vinho.
66 Ele fez com que os seus inimigos fugissem derrotados e envergonhados para sempre.
67 Ele rejeitou os descendentes de José, não escolheu a tribo de Efraim.
68 Pelo contrário, escolheu a tribo de Judá, o monte Sião, que ele tanto ama.
69 Ele construiu o seu Templo parecido com a sua casa no céu e o fez firme como a terra, que está segura para sempre.
70 Então Deus escolheu o seu servo Davi; ele o tirou do curral de ovelhas 71 quando ainda pastoreava o rebanho. Ele o pôs como rei de Israel, como pastor do povo de Deus. 72 Davi cuidou deles com dedicação e os dirigiu com sabedoria.

Página 20