segunda-feira, 4 de abril de 2016

É Incrível... meu Deus!

Consolo nas horas de tristeza
Salmo de Asafe. Ao regente do coro — para confissão.
1 Eu grito bem alto para Deus; grito, e ele me ouve.
2 Nas horas de aflição eu oro ao Senhor; durante a noite, levanto as mãos em oração, porém não encontro consolo.
3 Penso em Deus e começo a gemer; começo a pensar e fico desanimado.
4 Deus não me deixa dormir.  Estou tão preocupado, que não posso falar.
5 Penso nos dias que já passaram e nos anos que se foram há muito tempo.
6 Gasto as noites em pensamentos profundos, começo a meditar e a mim mesmo faço estas perguntas:
7 “Será que o Senhor vai nos rejeitar para sempre? Será que ele nunca mais vai ficar contente conosco? 8 Será que deixou de nos amar? Será que a sua promessa não tem mais valor? 9 Será que Deus esqueceu de ser bondoso? Será que a ira tomou o lugar da sua compaixão?”
10 Então eu disse assim: “O pior de tudo é que o Deus Altíssimo não quer nos ajudar mais como antes.”
11 Ó Senhor Deus, eu lembrarei dos teus feitos maravilhosos!
Recordarei as maravilhas que fizeste no passado.
12 Pensarei em tudo o que tens feito, meditarei em todos os teus atos poderosos.
13 Ó Deus, tudo o que fazes é santo. Não há deus que seja tão grande como o nosso Deus.
14 Tu és o Deus que faz milagres; tu tens mostrado o teu poder entre as nações.
15 Pela tua força, salvaste o teu povo, os descendentes de Jacó e de José.
16 Ó Deus, quando as águas te viram, ficaram com medo, as águas profundas do mar tremeram.
17 As nuvens derramaram chuva, houve trovoada nas alturas, e os relâmpagos riscaram o céu em todas as direções.
18 O estrondo dos teus trovões se espalhou por toda parte; os relâmpagos iluminaram o mundo inteiro, e a terra foi sacudida e tremeu.
19 Tu andaste pelo meio do mar, abriste caminho no oceano profundo, mas ninguém viu as marcas dos teus pés.
20 Como um pastor, dirigiste o teu povo pelas mãos de Moisés e de Arão.