domingo, 4 de dezembro de 2016

É preciso nascer de novo!


Encontro de Jesus com Nicodemos
1 Havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, que era um dos chefes dos judeus. 2 Durante a noite foi ter com Jesus e disse-lhe: «Mestre, sabemos que Deus te enviou para nos ensinares. Ninguém pode realizar os sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele.» 3 Jesus respondeu-lhe: «Fica sabendo que ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo.» 4 Nicodemos perguntou-lhe então: «Como é que um homem idoso pode voltar a nascer? Pode entrar no ventre de sua mãe e nascer outra vez?» 5 Jesus respondeu: «Fica sabendo que só quem nascer da água e do Espírito é que pode entrar no reino de Deus. 6 O que nasce de pais humanos é apenas humano, o que nasce do espírito é espiritual. 7 Não te admires por eu te dizer: é preciso nascer de novo. 8 O vento sopra onde quer; ouves o seu ruído, mas não sabes donde vem nem para onde vai. Assim acontece também com aquele que nasce do Espírito.»
9 Nicodemos insistiu: «Como é que isso pode ser?» 10 Jesus respondeu: «Tu és um dos mestres do povo de Israel e não sabes estas coisas? 11 Repara bem no que te vou dizer: quando falamos é porque sabemos e quando afirmamos alguma coisa é porque vimos, mas não querem aceitar o que eu vos digo. 12 Se não acreditam em mim quando vos falo das coisas deste mundo, como podem crer quando vos falar das do Céu? 13 Ninguém subiu ao céu a não ser o Filho do Homem que veio do Céu. 14 Assim como Moisés levantou a serpente de bronze no deserto, assim também é necessário que o Filho do Homem seja levantado 15 para que todo aquele que nele crer tenha a vida eterna.
16 Deus amou de tal modo o mundo que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crer não se perca, mas tenha a vida eterna. 17 Não foi para condenar o mundo que Deus lhe enviou o seu Filho, mas sim para que o mundo fosse salvo por ele. 18 Quem crê nele não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho único de Deus.
19 O motivo da condenação é este: a luz veio ao mundo, mas o mundo preferiu as trevas porque as suas obras eram más. 20 De facto, quem faz o mal detesta a luz e foge dela, para que as suas más obras não sejam descobertas; 21 mas o que pratica a verdade, aproxima-se da luz e assim mostra publicamente que as suas obras foram feitas segundo a vontade de Deus.»
Jesus e João Batista
22 Jesus foi mais tarde para a região da Judeia, com os discípulos. Passou lá algum tempo com eles e batizava. 23 João estava também a batizar em Enon, perto de Salim, pois havia ali muita água, e o povo ia ter com ele para ser batizado. 24 Nessa altura, ainda João não tinha sido preso.
25 Um certo dia, levantou-se uma discussão entre alguns discípulos de João e um judeu a respeito das cerimônias de purificação. 26 Foram por isso ter com João e disseram-lhe: «Mestre, aquele homem que estava contigo na outra margem do Jordão e do qual deste testemunho, anda agora a batizar e toda a gente vai ter com ele.» 27 João respondeu: «O homem não pode conseguir nada se não lhe for dado por Deus. 28 Vós mesmos sois testemunhas de que eu disse: Eu não sou o Messias mas apenas o que foi enviado adiante dele. 29 O noivo é aquele a quem pertence a noiva e o amigo do noivo participa na boda e escuta a voz do noivo e regozija-se em ouvi-lo. Assim, também a minha alegria está agora completa. 30 Ele é que deve crescer em importância e eu diminuir. 31 Aquele que vem lá do alto está acima de todos os outros. Quem vem da Terra pertence à Terra e fala das coisas terrenas. O que vem do céu está acima de todos os outros; 32 fala como testemunha do que lá viu e ouviu, mas ninguém aceita o que ele diz. 33 Aceitar o seu testemunho é reconhecer que Deus é verdadeiro, 34 porque aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus e não dá o Espírito por medida. 35 O Pai ama o Filho e deu-lhe poder sobre todas as coisas. 36 Aquele que acredita no Filho tem a vida eterna; quem não se deixa convencer pelo Filho não tem parte nessa vida, mas sobre ele recai o castigo de Deus.»