terça-feira, 14 de julho de 2015

Sabedoria de amar.

Eu quero que o tempo passe lentamente, para poder ver o nosso envelhecer.
Mas se Deus assim desejar, pode o tempo depressa passar.

Porém peço a Deus sua compreensão, e rogo para deixar ver seu envelhecer.
E no amanhecer do futuro, mesmo que a veja com os cabelos brancos, o corpo caído, a pele enrugada, a idade nela marcada.
Eu ainda hei de te amar.

Mesmo que nossas vistas estejam cansadas, que nossa visão não enxerguem nossos defeitos.
Quero sentir você ao meu lado, sentir seu cheiro e o calor de seu corpo.
Ouvir sua voz me chamar pela manhã, mesmo que ela já esteja trêmula e baixa.

Mesmo que meu corpo já não reaja ao desejo, eu sempre vou querer- te, desejar- te e amar- te.
Peço a Deus que me deixe envelhecer, e dormir de conchinha contigo, batendo nossos ossos já corroídos pelo tempo, e caminhar em passos lentos e de mãos dadas pelas ruas, esta é a sabedoria do verdadeiro amar.

Mesmo que a idade chegue mais cedo, sempre estarei ao seu lado, cuidando de seus passos.

Porém no egoísmo de meus sentimentos, rogo ao Pai que não me deixe ver sua partida.
Peço a Ele que me leve primeiro.
Não quero sentir a dor da perda, não quero sentir a falta de seu calor ao meu lado da cama, não serei homem suficiente para aceitar a sua falta.

Mesmo se ganhares com o tempo, dores, defeitos, manias ou doenças.
Sempre te amarei, e quando meu dia chegar, contigo meu amor eu deixarei.

Leandro Campos Alves.
Postado no G+ por: Francisco Barros