sábado, 29 de agosto de 2015

O afinador de escolhas...

Nos parâmetros de direito somos livres,
Para ir e vir ou apenas ficar pôr aqui.
Tudo quê somos ou fazemos,
foi se moldando pelas ( escolhas da vida.)
Foi separando quê encontramos a nossa parte.
E igualmente separados também, fomos postos de lado,
mesmo sabendo que seriamos bons" fomos recusados!"
(E através de escolhas nossas fomos reduzidos a servidão.)
Para exibirmos bons comprados,
gentes e presentes, por quais serei deixado?
Se existe algo que custa muito e uma hora qualquer,
não conseguiremos pagar por elas,
"São escolhas erradas!"
O nosso cunho e forte, e mais que fracas" são nossas predileções,"
nossos discernimentos, são tendenciáveis .
E nossos olhos foram treinados para não errar!
Essas foram as escolhas de nossos pais, no seu zelo de amar,
o consumo e a sociedade enfim tudo pensa assim "Ajudar!"
Olhos necessariamente deveriam ser desconsideradas suas opiniões,
(eles pouco entendem dessa política).
O futuro mais depende de escolhas do que de aquisições!
Se existe um deserto dentro do homem, 
ele será encontrado na inexatidão dos erros!
É na inexatidão e suas consequências, 
sobrará pouco" muito pouco" do seu muito.
Ali se redefine vida própria ,desejo próprio e amor próprio!
E se percebe, que o bom não existe apenas no bonito nem-tampouco no feio,
ou entre certezas ,dúvidas e receios.
O bom da vida e tão livre quanto nós mesmos!
Dai então percebemos um desvio para o deserto,
"alguns caros devem ser lançados fora e outros desdéns  trazidos pra perto!"
Equilíbrio sensorial e lógico!
Igualdade a favor próprio...
O afinador de escolhas e cego"Mais que a própria justiça dos homens!"
Pois ele reduz as oportunidades apreciáveis a valores possíveis.
todo e qualquer homem ou mulher,
e capaz de amar e respeitar assim, como são livres para trair e odiar!
Não se venda a escolhas erradas!
O muito que se tornou pouco,
melhor me será o nada!
E existem aqueles nadas que recusamos,
que vem nos acompanhando e pouco a pouco se aproximando!
Descobrimos naquilo que não víamos o que estava nos faltando!

Lourisvaldo Lopes da Silva