domingo, 2 de abril de 2017

Como se estivesse numa prisão sem trancas...


A escuridão e a coluna de fogo
1 Ó Deus, os teus julgamentos são maravilhosos e difíceis de entender; por isso as pessoas sem instrução enganam-se.
2 Quando os pagãos 17,2 Referência aos egípcios. pensavam que tinham escravizado o teu santo povo, uma noite sem fim prendeu-os, e ficaram prisioneiros da escuridão 17,2 Ver Ex 10,21–23..
Trancados dentro das suas casas, estavam longe da tua providência eterna.
3 Pensavam que se podiam esconder com os seus pecados, praticados em segredo, atrás da cortina escura do esquecimento. Cheios de medo e apavorados por fantasmas, separaram-se uns dos outros.
4 Nem mesmo as casas, onde se esconderam, podiam protegê-los do medo.
Barulhos de todos os lados espantavam-nos, e fantasmas medonhos com caras pavorosas apareciam-lhes.
5 Não havia qualquer espécie de fogo que lhes pudesse dar luz; nem mesmo a luz brilhante das estrelas podia iluminar aquela noite medonha.
6 Para eles, havia somente um fogo que os enchia de medo, um fogo que queimava por si mesmo; e quando aquela visão desaparecia, imaginavam aterrorizados que o que tinham visto era ainda mais terrível.
7 As suas artes de magia falharam completamente; a sabedoria, de que tanto se orgulhavam, deu em nada.
8 Pois aqueles que prometiam expulsar das pessoas doentes os medos e as doenças, eles mesmos foram atacados por um medo ridículo.
9 Mesmo quando não havia nada terrível para os espantar, ficavam assustados por causa dos monstros que passavam e por causa das cobras que assobiavam. Morriam de medo e não tinham coragem sequer para olhar o ar que inevitavelmente nos envolve.
10 Pois a maldade é covarde e condena-se a si mesma; os maus, cheios de remorsos, imaginam sempre que vai acontecer o pior.
11 Afinal de contas,o medo consiste em rejeitar a ajuda que a razão pode dar.
12 Quanto mais deixamos de aproveitar essa ajuda, mais terrível nos parece a causa desconhecida do nosso sofrimento.
13 Os egípcios estavam presos naquela escuridão, mas ela não tinha nenhum poder, pois vinha do fundo do impotente mundo dos mortos.
Eles dormiam o mesmo sono, 14 mas eram perseguidos por fantasmas medonhos; estavam paralisados, sem forças para se mexerem, por causa do terror que não esperavam e que caiu de repente sobre eles.
15 Cada um caía no lugar onde estava, como se estivesse numa prisão sem trancas.
16 Agricultores, pastores de ovelhas e os que faziam trabalho pesado nos campos, sobre todos caía de repente o mesmo castigo, e a mesma corrente de escuridão os prendia.
17 O assobio do vento, o canto melodioso dos pássaros nas árvores cheias de flores, o som agradável da água a correr com força, o barulho das rochas que caíam, 18 os pulos dos animais invisíveis que brincavam,  os rugidos dos animais selvagens, ou os ecos nas cavernas das montanhas, tudo isso os enchia de medo e os paralisava.
19 O resto do mundo recebia a luz brilhante do céu, e todos faziam sem dificuldade os seus trabalhos.
20 Somente os egípcios ficaram cobertos por uma escuridão pesada, que era uma imagem do mundo de escuridão que os esperava.
Mas eles eram mais pesados para si mesmos do que o peso dessa escuridão.