domingo, 22 de julho de 2018

O MUNDO INVISÍVEL DE UMA MULHER - Página 79

Minha última página aqui falei do Frederico, dia 02 de março de 2018, hoje quatro meses depois, meu filho volta pra casa do Pai.
Sei que fiz tudo o que estava ao meu alcance para salva-lo, ou diminuir qualquer que fosse sofrimento ou dor, eu lutei para que ele ficasse bem.
Eu rezei muito por ele, mas nunca pedi a Deus que prolongasse o seu tempo ou que algo acontecesse que não fosse da vontade Dele. Eu tenho certeza que eles são colocados em nossas vidas para nos proteger, eu convivo com a maldade de perto, muito perto, e todos usam o nome de Deus, é incrível isso, sei do que estou falando... Quando falta amor no coração de um ser humano... falta tudo.
Assim, pedi a Deus que o protegesse, e que não deixasse meu menino ser usado para me atingir, fiz uma corrente de oração e essa corrente acabou no sábado, hoje segunda feira Deus pega meu menino no colo e leva pra casa, é lógico que chorei muito, e pedi perdão por tamanha fraqueza, mas eu já conheço a dor da saudade.
Estas linhas escrevi e não postei, 20 dias depois aqui estou, a voz em mim tinha se calado, e ela voltou, sempre acontece enquanto tomo banho, já comentei isso em alguma página, tenho certeza, foi o que me fez estar aqui agora escrevendo. Vou ter que tirar o atraso, hoje provavelmente postarei outras páginas, tenho muita coisa para contar, mas vamos lá:
Mais uma vítima do Sr. Marcelo Arantes Ramos me procurou em junho, vejam o que ela me contou em uma conversa no WhatsApp, não tirarei uma vírgula, apenas o número do telefone dela, pedi permissão para postar e ela alem de ter aceitado, está disposta a ajudar, ela é uma mulher linda, fisicamente falando, e como podem notar, por dentro não é diferente, vejam:

[18:44, 27/6/2018]: Vamos lá, foi assim: em 2013 eu trabalhava em uma empresa que confecciona carteira em couro com brasões das profissões. Foi assim que conhecemos ele. Ele entrou em contato, comprou, pagou e recebeu a carteira dele. Porém a carteira teve defeitos e então começamos a ter esse contato direto com ele para reclamações e etc. Uma das colegas era mais próxima mas achou ele muito pegajoso e passou ele pra mim. Aí começamos conversas normais, depois foi  ficando pessoal porque ele adora recitar poemas e falar da sua “doença”.
[18:48, 27/6/2018]: Com o passar dos dias fomos ficando amigos, ele pediu meu telefone, já tinha meu e-mail e a amizade foi ficando legal. Até que um dia ele começou. Ame paquerar. Era insistente, era inflável até ... eu estava separada do meu esposo, ele até pregar pra mim pregava. Parecia conhecedor da palavra de Deus ... ele me ganhou. Vivia dizendo que iria a Brasília e daria um pulo em Goiânia para nós conhecer, e esse dia nunca chegava. Dia tal vinha, dia tal, e dia tal... e nada. Um dia, chegou a ponto de me pedir pra ir buscar ele no aeroporto. E a jumenta aqui foi. E nada. Aí começou um drama, que estava em São Paulo sem dinheiro porque os cartões bloquearam, a emissora Record não havia repassado seu pagamento e por aí foi. Foi a primeira vez que pediu dinheiro. Somente 250,00 para os remédios e hospedagem até chegar no Rio.
[18:48, 27/6/2018] : Eu mandei.
[18:50, 27/6/2018] : Aí ele começou a dizer que estava completamente apaixonado, que queria me ter como namorada e posteriormente mulher, que queria criar meu filho, que eu era isso e aquilo. Passava dias sem ligar e aparecia dizendo que tinha tido recaída da doença. Até que chegou um dia que ele disse que não queria mais me iludir e que ia sumir da minha vida pois ele estava morrendo. Achei estranho, minha mãe também, aí eu também nem quis mais contato. Comecei a procurar ele agora porque achei que ele tinha morrido mesmo pela doença .

[18:50, 27/6/2018] : Foi quando achei seu blog e etc ... estou chocada ... minhas amigas também...

Creio que ele não está conseguindo fazer novas vítimas (bingo!), pois foi a uma delegacia e deu queixa de mim, da Rute e da Ana, onde ele diz estar sendo ameaçado por nós, deve estar com muita raiva para fazer uma bobagem dessa, mentir, pois se tivéssemos o endereço dele ou soubéssemos algo sobre ele, teríamos passado para o oficial de justiça que há meses está a procura dele para entregar a intimação dos processos que ele precisa responder.
Quem anda na luz, não precisa ter medo de nada, as coisas acontecem naturalmente, pois ficamos sabendo do que estava acontecendo e com o número do celular de um dos agentes da delegacia, passamos alguns arquivos para ele e claro o pedido do juiz para investigar o possível crime cometido por essa criatura. 
Eu poderia ter me calado como tantas outras vítimas, por medo das ameças, mas como essa história teria terminado? Quantas dores teriam sido causadas diante do meu silêncio? Não, eu não podia deixar isso acontecer, eu não nasci para ficar em cima do muro, tenho medo de altura (risos).


 Página 79