quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Quando comecei a me amar de verdade

Quando eu comecei a me amar de verdade eu descobri que a angústia e o sofrimento emocional são apenas sinais de que eu não estava vivendo a minha própria verdade. Hoje eu sei, isso é “AUTENTICIDADE”.

Quando eu comecei a me amar de verdade eu entendi o quando eu posso ofender alguém conforme eu tento forçar os meus desejos sobre essa pessoa, mesmo eu sabendo que o tempo não era certo e a pessoa não estava pronta, mesmo essa pessoa sendo eu mesmo. Hoje eu chamo isso de “RESPEITO”.

Quando eu comecei a me amar de verdade eu parei de suplicar por uma vida diferente, e eu pude ver que tudo o que me cercava me convidava a crescer. Hoje eu chamo isso de “MATURIDADE”.

Quando eu comecei a me amar de verdade eu entendi que em qualquer circunstância, eu estou no lugar certo e no tempo certo, e que tudo acontece ao momento exatamente certo. Então eu poderia ficar calmo. Hoje eu chamo isso de “AUTOCONFIANÇA”.

Quando eu comecei a me amar de verdade eu parei de roubar meu próprio tempo, e eu parei de engenhar grandes projetos para o futuro. Hoje, eu apenas faço o que me trás alegria e felicidade, coisas que eu amo fazer e que fazem o meu coração se alegrar, e eu as faço da minha própria maneira e em meu próprio ritmo. Hoje eu chamo isso de “SIMPLICIDADE”.

Quando eu comecei a me amar de verdade eu me libertei de qualquer coisa que não fosse boa para a minha saúde – comida, pessoas, coisas, situações, e tudo o que me removia e afastava de mim mesmo. Primeiro eu chamei essa atitude de egoísmo saudável. Hoje eu conheço como “AMAR A SI MESMO”.

Quando eu comecei a me amar de verdade eu desisti de tentar estar sempre certo, e desde então eu estive errado um número menor de vezes. Hoje eu descobri que isso é “MODÉSTIA”.

Quando eu comecei a me amar de verdade eu me recusei a continuar a viver no passado e me preocupar com o futuro. Agora, eu apenas vivo no momento presente, onde TUDO está acontecendo. Hoje eu vivo cada dia, dia a dia, e eu chamo isso de “REALIZAÇÃO”.

Quando eu comecei a me amar de verdade eu reconheci que a minha mente pode me perturbar e que ela pode me adoecer. Mas conforme eu me conectei ao meu coração, a minha mente se tornou uma aliada valiosa. Hoje eu chamo essa conexão de “SABEDORIA DO CORAÇÃO”.

Nós não precisamos mais temer argumentos, confrontos ou qualquer tipo de problemas conosco ou com os outros. Mesmo estrelas colidem, e desse choque novos mundos nascem. Hoje eu sei que ISSO É “VIDA”

Charlie Chaplin (ou Kim McMillen)