segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Nós Jornalistas Profissionais, defendemos o direito da sociedade....

  1. Lamentável. Manifestação pacífica em Nova Iguaçu tem ato de vandalismo após dispersão dos manifestantes.

    A manifestação em Nova Iguaçu foi democrática, pacífica, bonita. Mas a TV não mostrou nada disso. Depois da dispersão, um grupo seguiu para a Via Dutra, e aí infelizmente cometeu uma série de atos inconsequentes que não tem conexão com o grupo que estava na passeata, na manifestação. Aí, a TV imediatamente anunciou. Essa mídia é de lascar. Só serve se for notícia ruim. Quando isso vai mudar, meu Deus!

    Mas vamos registrar o que foi positivo. Por isso, nossos parabéns a todos os iguaçuanos que, com espírito democrático e cidadão, manifestaram sua indignação, cobraram melhores condições de vida para seus bairros, suas comunidades, sua cidade. A esses, o nosso profundo respeito e a nossa gratidão.

    Observação: Notícias dão conta de danos a várias lojas nas Ruas Nilo Peçanha e Barros Junior. O Colégio Iesa sofreu algumas depredações. Vândalos tentaram colocar fogo num ônibus na Via Dutra, mas sem êxito. Tudo muito lamentável!
    Postado por BLOG DO FERREIRINHA às 23:02 
    8 comentários:
    Marcelo Ramos22 de junho de 2013 07:18
    Muito me surpreende um parlamentar com sua cultura criticar a mídia e igualar a todos no mesmo saco.
    Será que todos os políticos do PT são corruptos e ladrões como os condenados no mensalão ou o nobre vereador está fora?
    Faça-me o favor, vereador !

    Responder
    Respostas
    BLOG DO FERREIRINHA22 de junho de 2013 08:27
    O que me surpreende é a sua reação Marcelo. Você que é profissional da imprensa, respeitado por sinal, sabe como a Baixada é tratada e retratada. Pena que você não acompanhou as minhas postagens sobre o assunto, quando reclamei que a manifestação com cera de 10 mil pessoas, pacífica e organizada, não tinha o acompanhamento de TV, apesar de avisados. Reclamei e disse: "Entretanto, nenhuma emissora de TV está falando disso. Eles gostam de mostrar violência, depredação, vandalismo. É assim para a grande parte da nossa mídia... Quanto mais notícia ruim, melhor para eles... Uma pena". Lamento que você não destacado o trecho "grande parte da mídia", que separa os bons profissionais. Acredito que o nobre jornalista não faça parte desta grande parte a que me referi, que infelizmente só se interessa pelas piores notícias. E viva a Baixada. E viva o povo ordeiro e consciente que foi as ruas manifestar legitimamente e que infelizmente a mídia não viu e não noticiou essa bonita parte.

    Solicito ler: http://blog-ferreirinha.blogspot.com.br/2013/06/manifestacao-pacifica-em-nova-iguacu.html

    Responder
    Marcelo Ramos22 de junho de 2013 14:26
    Caro Vereador,
    a emissora na qual trabalho fizemos a pauta sim para cobrirmos as manifestações em Duque de Caxias e Nova Iguaçu, quando nossa equipe que faria a baixada estava pronta para se deslocar para seu município, se fez necessário o deslocamento para Barra da Tijuca, onde uma onda de barbáries assolava o local.
    Fico triste quando por conta de problemas com outras emissoras, a população iguala os Jornalistas com caráter dos Jornalistas sem caráter, o que há em qualquer profissão.
    Amo minha profissão e sei que somos trabalhadores como outros qualquer.
    Quando o nobre vereador nos descreve como a Baixada é relatada, infelizmente fazemos jornais, revistas e telejornais do jeito que o povo quer assistir, pergunte no seu círculo de amizade quatas pessoas lêem uma matéria com mais de 30 linhas ?
    Infelizmente nenhuma, e se a Baixada é retratada de forma negativa, cabe aos homens públicos como o nobre vereador, fazer algo de positivo para mudar esta situação e assim dar a chances de retratarmos beneces.

    Responder
    Respostas
    BLOG DO FERREIRINHA10 de julho de 2013 13:00
    Cabe sim aos homens públicos, e eu tenho feito a minha parte. Acredito que bem, pois a população tem aprovado meu trabalho a cada nova eleição. Pena que a maior os órgãos de imprensa não anuncia o que produzimos em prol da população. Mas ainda há tempo: 1) A Comissão de Educação e Cultura, junto com o Movimento Baixada Literária e a Bibliotecas Comunitárias, está trabalhando firme para que seja aprovado o Plano Municipal do Livro, Leitura e Bibliotecas em Nova Iguaçu. 2) Tem acontecido várias audiências públicas em Nova Iguaçu para criamos um Plano Diretor de Mobilidade Urbana para a cidade, a fim de contribuir para melhor o transporte, o trânsito e o ir e vir das pessoas, melhorando e criando ciclovias, ciclofaixas, etc. 3) O Bairro de Lagoinha precisa de infraestrutura. Não tem quase nada nesta área. Fiz vários projetos para a região, a fim de incorporá-lo no Programa Bairro Novo, do governo do Estado, que prometeu 1 bilhão para Nova Iguaçu. Moradores tem comparecido à Câmara, precisamos de ajuda da imprensa para divulgar. 4) Propus da duplicação da Estrada de Madureira. As pessoas andam na rua, correndo perigo de acidente, junto aos carros. Tá no blog. 5) Este a luta pela vinda do Campus da Universidade Federal Rural para Nova Iguaçu está fazendo 10 anos. Tive a honra de iniciar e coordenar a Campanha que trouxe a universidade. Vamos ter um ato para celebrar isso. Não pode cair no esquecimento. Precisamos da imprensa para acompanhar. 6) Precisamos de uma Biblioteca Pública Municipal que abrigue o Arquivo Municipal e Museu Histórico e Geográfico de Nova Iguaçu. Vamos iniciar este projeto com a Universidade Federal Rural. Tem muitas notícias boas da Baixada, é só querer divulgar...

    Responder
    Marcelo Ramos22 de junho de 2013 14:27
    Postei este texto em meu Facebook ontem...

    Uma pena, mas vejo que verdadeiramente estamos perdendo o controle de um movimento que tem tudo para mudar o Brasil.
    Marginais, só chamando assim, pois manifestantes eles não são, estão depredando, saqueando, furtando e praticando atos dignos de uma grande bárbarie.
    Ontem durante uma bela manifestação no Rio de Janeiro, onde, segundo os organizadores, cerca de um milhão de pessoas participaram da marcha, um grupo, e desta vez não foi pequeno, decidiu dar o ar da graça e destruir tudo de lícito que estamos conquistando.
    Se cobramos uma melhoria na saúde, ontem estes marginais, destruíram o posto de saúde que fica ao lado do Terreirão do Samba, destruíram o próprio Terreirão, a Escola Municipal Tia Ciata, que atende crianças carentes, o prédio dos correios, várias coberturas de ponto de ônibus, que nós cariocas mesmo usamos, queimaram uma cabine da Polícia Militar, saquearam diversas lojas e o mais grave, insistem em atacar a liberdade de expressão, com ataques a imprensa, primeiro foi o carro de link da Rede Record e ontem roubaram coletes balísticos, objetos pessoais e incendiaram o veículo que estavam os colegas do SBT.
    Da mesma forma que estou contra a violência policial, denuncio aqui coações, agressões físicas e verbais, que temos sofrido ao longo da cobertura das manifestações.
    Estas práticas violam a liberdade de expressão, pondo em risco tudo que conquistamos ao longo de décadas.
    Nós Jornalistas Profissionais, defendemos o direito da sociedade na apuração, somos solidários nas denúncias e somos os zeladores pela divulgação de forma ética, dos fatos ocorridos.
    Quando não há médicos em hospitais, quando sua rua não possui asfalto, quando descobrimos corrupção, quando queremos denunciar qualquer fato, chamamos e confiamos no Jornalista Profissional.
    Associar o Jornalista Profissional, pessoa física, com empresas de comunicação e pré-julgar sua capacidade de isenção, a sociedade acaba por cometer um erro grave contra os trabalhadores de imprensa.
    Por muitas vezes somos vítimas dos nossos próprios patrões, mas não desistimos de ajudar as pessoas que necessitam do nosso trabalho.
    Estamos em luta permanente para melhoria da sociedade, buscando a verdade, independente de empresa, de seguimento ou de ideologia.
    O Jornalismo é fundamental para manutenção da democracia, e continuará sendo a voz oficial da sociedade constituída.
    Jornalista não é bandido, somos trabalhadores como você.
    Vamos refletir...
    (Marcelo Ramos)

    Responder