quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Pesquisa revela que, na ‘hora H’, eles não ligam para os pneuzinhos


Pintura de Fernando Botero


Se você encana e fica tímida na "hora H" por causa daqueles pneuzinhos que estão sobrando, saiba que você é a única preocupada com isso. Uma pesquisa do Instituto Qualibest feita com 300 homens, de 12 capitais brasileiras, mostra, entre outras revelações, que no sexo, os quilinhos a mais de uma mulher não têm importância. Dos entrevistados, 41% disseram não fazer diferença, mas outra grande parcela, de 32% afirmaram que, se a mulher estiver incomodada com as dobrinhas, pode atrapalhar na hora da relação.
De acordo com a sexóloga Carla Cecarello, a vergonha da mulher com o próprio corpo pode comprometer o desempenho sexual.

- As mulheres se preocupam muito com os padrões de beleza. Se acham que estão fora deles, tendem a querer se esconder, a fazer sexo com a luz apagada ou em uma posição que não vá mostrar aquilo que elas consideram um defeito. Tenho várias pacientes que se queixam nesse sentido. A timidez e a inibição podem atrapalhar muito a relação - explicou a sexóloga.

A mesma opinião tem o auxiliar administrativo Gabriel Fernandes, de 22 anos, que tem uma namorada "gordinha":

- Os pneuzinhos não atrapalham em nada o sexo. Quando você está com vontade e a outra pessoa também, isso não tem a menor importância. O pior é quando ela se incomoda ou fica com vergonha.

Segundo a pesquisa, apenas 15% afirmaram que as dobrinhas podem impedir alguns movimentos e 12% disseram se incomodar com o sobrepeso. Além disso, quase metade dos entrevistados não se importa com o fato de a luz estar acesa ou apagada na hora da transa. Mas 39% dos homens preferem as lâmpadas acesas porque revelam o corpo da parceira.

Outro ponto polêmico das respostas é o fato de a maioria dos homens querer praticar sexo anal. Para 37% dos entrevistados, essa "modalidade" seria tão excitante por seu caráter proibido. Já 24% dizem que ela evoca o fetiche da submissão feminina e o mesmo número afirma que a graça está em ser "mais apertadinho". Apenas 15% consideram que a prática excita as parceiras. De acordo com a sexóloga Carla Cecarello, as atividades menos convencionais interessam mais aos homens.

- O esperado de uma relação é pênis e vagina. Por isso, os homens consideram o sexo anal uma prática extra. Mas a maioria das mulheres pensa de maneira diferente sobre o assunto. Elas se sentem submissas, e tendem a achar que apenas prostitutas devem fazer a prática - explicou Carla, completando: - O mesmo ocorre com o sexo oral no primeiro encontro. Elas já ponderam se é correto ou não transar com o cara. O sexo oral então é tabu.

A pesquisa revela ainda que, quando estão se masturbando, 8% dos homens pensam em mulheres famosas, 23% nas namoradas, mas a grande maioria, 67%, pensam "em todas elas".

O machismo, no entanto, fica claro quando questionados se participariam de um suingue de casais: 31% deles afirmaram que fariam apenas se estivessem solteiros.

- O suingue nada mais é do que a troca de casais. Se o cara diz que aceita praticar, mas só se estiver solteiro, isso não é suingue. Ele só está se expondo a uma outra relação. A maioria dos homens não tem cabeça aberta - disse Carla.

E isso é visto na negativa de 25% dos homens em participar de suingues. Outros 25% que afirmaram que topariam fizeram uma ressalva: "desde que a namorada não estivesse com eles".

Gabriela Ferreira, postado em 22/05/2010

Fonte: Extra