terça-feira, 23 de setembro de 2014

Para que o perdão não seja necessário


Haverá o dia em que o “mal” que o outro fizer não lhe tocará. Aceitar a maldade é uma opção. Independentemente do que venha de lá, é você quem processa os acontecimentos, transformando-os em combustível para mágoas ou oportunidades de ser amor. Essa opção nunca será do outro, mas sua.
Chegará o tempo de olhar para o que lhe incomoda e perceber com clareza que não passa de uma expressão de alguém que ainda não enxergou. Acolher essa dor e torná-la pessoal é uma escolha que deixa de ser quando você finalmente entende que, por mais que pareça, a questão não é pessoal, mas uma infeliz tentativa de alguém que ainda não aprendeu ser de outro jeito.
Se acolhemos os maus tratos, a antipatia, a injustiça que porventura nos atinja, adicionarmos irritação, vingança, auto vitimização, o que nascerá? É possível que saia algo bom?
Na Terra todos sofreremos de alguma maneira. Seremos expostos a atritos, enfrentaremos atitudes completamente desnecessárias de gente que aparentemente age sem motivos, nos destrata, nos desgasta, nos humilha, tenta nos apequenar, seja com palavras, seja com atitudes, portanto a questão é: Quando isso acontece, o que você devolve? Que tipo de energia irá gerar para alimentar ou modificar os processos? É uma escolha.
Haverá o dia em que entenderá. Verá o que o outro pratica como expressão da própria sombra, oportunidade para ser, para transformar a partir de você um ambiente, um comportamento, uma atitude hostil.
Você não é vítima, mas parte do processo. Se não pode escolher exatamente como serão os acontecimentos, cabe a cada um decidir o que fazer com o que lhe toca, se assimilará ou transformará.
Nossas histórias estão se cruzando, se conflitando, se inter conectando sempre, mas os desgastes não existirão se você não quiser. É necessário posicionar-se acima dessa zona de conflito, entender como as coisas funcionam para que o “perdão” não seja necessário, pois não houve mágoa que o precedesse.
Nesse dia tudo estará claro, em equilíbrio, na dimensão da consciência e do amor.
Se ainda não é, sigamos no caminho em alegria por todas as oportunidades que estão acontecendo agora, com o único intuito de que venha a ser.

Flavio Siqueira