terça-feira, 11 de agosto de 2015

Senti chegares..

Senti chegares
como foco negro numa abóbada luminosa,
silencioso mas célere,
invisível mas cruel,
estúpido e sem graça!


Senti chegares

sem conseguir evitar a tua chegada,
apesar de ter lutado,
apesar de ter evitado
abrir as portas que dão acesso
à transparência dos meus sentidos!


Porque vieste?

porque voltaste a atormentar-me?
Que razões encontraste?
Que despojos pretendes de mim?


Senti chegares

e apoderares-te do meu vulnerável interior
para o lançares às sementes vis
que na insidia me ofereces,
qual verme que rói, corrói e apodrece o fruto!


Senti chegares

e ficares a sorrir da minha fraqueza
em te deixar dominar os meus gestos,
como uma simples marioneta,
sentindo-me fugir de mim próprio!


Senti chegares

e trazeres contigo o gosto mortal
de um cálice com vinho envenenado
que eu pretendo nunca beber,
por muitas mais vezes que mo ofereças,
nas muitas mais vezes
que vou sentir-te chegar
sem que vá conseguir, eu sei,
a tua chegada evitar!


Senti chegares

queimando como lume,
querendo devorar-me a alma,
ciúme!


Vitor.C
Postado G+ por: Leni Conti