domingo, 11 de outubro de 2015

O MUNDO INVISÍVEL DE UMA MULHER - Página 10

Com certeza não existe coincidências ou sorte, tudo acontece como tem que acontecer, e sem perder a minha humildade do inicio eis me aqui mais uma vez confirmando, não sou nada nem ninguém, tudo o que consegui foi a mim dado por Deus.
Antes de voltar ao assunto do nosso amigo e como a Nadir me ajudou, quero contar mais uma obra de Deus,  a minha busca por respostas e ao mesmo tempo forças para me manter viva era muito grande, mas algo me impulsionava e me dizia que eu não podia desistir de lutar e que eu também não estava só, se eu me entregasse a toda  tristeza e decepção que sentia, seria o meu fim...

A minha vida tinha que continuar, eu ainda tinha o escritório para manter funcionando, afinal de contas eram seis funcionários que dependiam dele... dependem de mim.
Com despesas muito altas com o transporte para me locomover até o meu trabalho vi que precisava mudar, mas da minha janela eu olhava o  Alfredo (carro) .... tremia, trauma!
Resolvi pedir ao vigia do prédio que me ensinasse a dirigir. Quando saí da minha cidade eu havia comprado um, Ford KA usado, mas só deu tempo tirar a carteira, pois vim morar em Salvador, e o deixei lá, achei que não precisava trazê-lo, já tínhamos um, e como mencionei, não desgrudávamos, aonde eu estava com certeza o Edu também, assim ele dirigia, aquilo era cômodo pra mim. Sem contar que logo de cara levei pau na meia embreagem, a cidade que hoje moro só tem ladeiras (risos), então, melhor deixar quieto... pensei.
Mas agora eu precisava fazer algo, pois não tinha como bancar as despesas com o táxi, aquilo precisava acabar.
No dia combinado um domingo, pegamos o carro pela manhã (eu e o vigia) e fomos para um bairro mais tranquilo, chegando lá sentei no banco do motorista e para resumir trouxe o carro para casa. 
Enfim, lembram da Universidade?  Como entrei? Vencer os meus medos, de novo não foi um mérito meu.
Passei a ir trabalhar dirigindo, e todos os dias que eu entrava no carro, eu convidava meu Pai perguntando, quer vir comigo? eu não sei fazer isso sozinha...
Colocava uma música que falava Dele e de mim, na verdade tenho um CD, ganhei da esposa de um funcionário, se não me engano tem mais de 300 músicas que falam de nós dois, sempre perguntava, gosta dessa Pai? Acho que a que mais ouvíamos juntos era ressuscita-me, ela diz o seguinte:

Mestre eu preciso de um milagre
Transforma minha vida, meu estado
Faz tempo que eu não vejo a luz do dia
Estão tentando sepultar minha alegria
Tentando ver meus sonhos cancelados
Lázaro ouviu a Sua voz, quando aquela pedra removeu
Depois de quatro dias ele reviveu
Mestre não há outro que possa fazer
Aquilo que só o Teu nome tem todo poder
Eu preciso tanto de um milagre
Remove minha pedra, me chama pelo nome
Muda minha história, ressuscita os meus sonhos
Transforma minha vida, me faz um milagre
Me toca nessa hora, me chama para fora
Ressuscita-me
Tu és a própria vida, a força que há em mim
Tu és o Filho de Deus, Que me ergues pra vencer
Senhor de tudo em mim, já ouço a Tua voz
Me chamando pra viver, uma história de poder!

Quantas vezes saí do escritório e não conseguia segurar as lágrimas, tinha medo que os agentes de trânsito me parassem e me dissessem que eu não tinha condições de dirigir. 
A coisa estava tão complicada que até síndrome do pânico eu tive, me faltava o ar...
Foi um dia que nesta agonia, caí de joelhos e clamei, meu Pai, em nome do teu filho Jesus me ajuda.... te peço perdão por tudo que fiz, até por aquilo que não lembro, mas me tira essa agonia. Neste exato momento como um filme passou em minha cabeça algo que me aconteceu no passado... e eu lembrei.... e disse: Lembrei Pai! Me perdoa, naquele momento eu senti algo que ainda não havia sentido... e fui tomada por uma paz tão grande...
Tive vários momentos assim, tenho e posso ainda tê-los no futuro, pois por mais fé que tenhamos, somos humanos, estamos sujeitos a eles, o importante é a gente não se perder neles.


Página 10